Curso de formação Agrotóxicos e Saúde: subsídios para a vigilância popular (turmas Nordeste, Centro-Oeste e Sul)

VOLTAR





Os Cursos são uma iniciativa que decorre justamente do reconhecimento da importância do tema eda necessidade de estruturar estratégias de base territorial para seu enfrentamento, articulando oconhecimento acadêmico, o popular e a mobilização social. Tem como objetivo principal Formar membros de movimentos sociais e do SUS no tema “Agrotóxicos e Saúde” para atuaçãocomo multiplicadores de conhecimento e articuladores em seus territórios de origem, em umaperspectiva crítica e emancipatória.





Os Cursos tiveram o materialismo histórico-dialético como proposta teórico-metodológica. 




O público-alvo do curso é composto fundamentalmente por membros do controle social vinculados àtemática abordada no curso. Também serão envolvidos profissionais do SUS engajados na temática.Os programas dos cursos serão elaborados a partir de“casos emblemáticos”de cada território,construídos por cada Região, que representem os conflitos que emergem dos contextos dehegemonia do agronegócio, nos quais há um processo intenso de contaminação ambiental eexposição humana aos agrotóxicos. A partir da construção desses casos e apresentação dos mesmosaos(às) educandos/(as), serão aprofundados os conteúdos teóricos específicos, necessários paracompreender as numerosas dimensões envolvidas nos cenários de exposição.
Assim, todos(as) os(as) educadores(as) que participarão dos cursos terão como ponto de partida oscasos selecionados para abordar os temas sob sua responsabilidade.



Cada aluno apresentará um Projeto de Intervenção (PI) a ser desenvolvido em seu território. Os PI buscam fornecer subsídios para o enfrentamento de problemas relacionados à exposição aosagrotóxicos ou então de fortalecimento de práticas agroecológicas.  

Sujeitos

Você considera que a experiência tem uma atuação em Rede?
Sim
¿Con qué grupos se construye esta experiencia?
  • Pastoral
  • Organização não governamental (ONG)
  • Povos e comunidades tradicionais/povos indígenas
  • Agricultoras/es familiares/camponeses
  • Agricultoras/es urbanas/os
  • Movimentos sociais
  • Educadoras/es
  • Estudantes
Identificación de los pueblos y comunidades tradicionales que participan en la construcción de esta experiencia
  • comunidades quilombolas
  • pescadores artesanais
  • povos indígenas
Sexo: indique los grupos que participan en esta experiencia
  • Feminino
  • Masculino
Color o raza - indique lo(s) grupo(s) que participan de la experiencia
  • Branca
  • Indígena
  • Parda
  • Preta
Faixa etária - indique o(s) grupo(s) que participa(m) dessa experiência
  • De 15 a 29 anos
  • De 30 a 60 anos

Identificação do tipo experiência

Esta experiência é/foi realizada no Brasil?
Sim
Selecione o tipo de experiência
Ensino-pesquisa-extensão
Se envolve ensino, indique qual(is) o(s) tipo(s) de curso(s)
Curso livre (sem titulação)
Si se trata de enseñanza, indique el número total de vacantes disponibles (por curso/clase)
120

Localização e abrangência espacial

Esta experiência está sendo cadastrada pelo celular (via aplicativo ODK Collect)?
Não
Qual é a abrangência territorial das ações desenvolvidas na experiência?
Nacional (mais de 4 estados)

Estratégias de Comunicação e Anexos

Que tipo(s) de ferramenta(s) utiliza para divulgar a experiência e se comunicar com os envolvidos?
  • Facebook/Messenger
  • Instagram
  • Site
  • Whatsapp/Telegram
  • E-mail

Práticas em saúde e agroecologia

Práticas Agroalimentares (produção/beneficiamento/consumo)
  • Agrofloresta
  • Quintais sócio-produtivos (horticultura, pomar, etc.)
  • Casa ou guardiães/ões de sementes
  • Feiras agroecológicas
Esta práctica es considerada una tecnología social por los protagonistas de la experiência?
Sim
O que estimula a adoção dessa(s) prática(s)?
  • Curso de capacitação e treinamento
  • Intercâmbio/vivência
  • Participação em redes de aprendizados e conhecimentos
  • Rodas de conversa e oficinas

Resistências e ameaças

Algo ameaça esta experiência?
  • Agrotóxico
  • Contaminação/poluição ambiental
  • Transgênico
  • Disputa territorial ou dificuldade de acesso ao território
  • Violência do Estado
  • Racismo
  • Violência de gênero (contra mulher, LGBTQIAP+fobia)
Há conflito(s) ambiental(is) no(s) território(s) onde essa experiência acontece?
Sim
Grupo(s) social(is) atingido(s) pelo conflito ambiental
  • Agricultor(a) familiar
  • Agricultor(a) urbana/o
  • Trabalhadoras/es rurais sem terra
  • Quilombolas
  • Trabalhadoras/es rurais assalariadas/os
Actividades generadoras del conflicto
  • Agroindústria/agronegócio
  • Agrotóxicos
  • Atuação de entidades governamentais
  • Monoculturas
  • Pecuária
  • Transgênicos
Impactos Socio-ambientales de las actividades
  • Alteração no regime tradicional de uso e ocupação do território
  • Contaminação ou intoxicação por substâncias nocivas
  • Desmatamento
  • Erosão do solo
  • Exploração no trabalho
  • Falta/irregularidade na autorização ou licenciamento ambiental
  • Falta/irregularidade na demarcação de território tradicional
  • Poluição do solo
  • Poluição de recurso hídrico
  • Precarização/riscos no ambiente de trabalho
  • Poluição atmosférica
Possíveis danos à saúde decorrentes da atividade e/ou do conflito
  • Alcoolismo e/ou uso problemático de outras drogas
  • Contaminação ou intoxicação por agrotóxicos
  • Contaminação química
  • Insegurança alimentar e nutricional
  • Piora na qualidade de vida
  • Violência - assassinato
  • Violência - lesão corporal
A experiência aqui cadastrada está envolvida nesse(s) conflito(s) ambiental(is)?
Sim, a experiência contribui para o enfrentamento do conflito