Células de Consumidores Responsáveis UFSC Centro Socioeconômico

VOLTAR


A experiência surgiu da necessidade de grupos de agricultores familiares viabilizarem mercados mais justos e rentáveis para seus produtos, ao passo que crescia a demanda por alimentos mais saudáveis e de origem orgânica em Florianópolis-SC. O projeto Célula de Consumidores Responsáveis (CCR) do Laboratório de Comercialização da Agricultura Familiar (LACAF/UFSC) no formato atualmente operado iniciou no final de 2017 e em agosto de 2020, no terceiro ano de funcionamento, atende mais de 400 famílias consumidoras através de 13 células criadas e abastecidas por 6 grupos de agricultores orgânicos certificados pela Rede Ecovida de Agroecologia, localizados em Florianópolis - SC e região. Cada CCR corresponde a um grupo de compra-venda direta entre consumidores e um grupo de agricultores familiares, sendo estes: Amanacy (Alfredo Wagner), Associação Agrodea (Imbuia), Associação APAOC (Chapadão do Lageado), Associada (Major Gercino, Angelina, Leoberto Leal e Nova Trento), Flor do Fruto (Biguaçu) e Núcleo SerraMar (Jaguaruna, Treze de Maio, Criciúma, Içara e Braço do Norte).

PARA FORMAR UMA REDE

Através da reconexão entre consumidores e agricultores e da educação para o consumo consciente e sustentável, tem-se como meta a formação de uma Rede de Cidadania Agroalimentar (RCA) na Grande Florianópolis, gerando dinâmicas de mercados éticos e de consumo responsável, ampliando o abastecimento de produtos agroecológicos provenientes da agricultura familiar, e despertando no consumidor a importância do seu papel como co-produtor na cadeia de alimentos.

DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE SUPERAÇÃO

Cada célula funciona de forma autônoma e autogestionada e busca na coletividade entre os participantes a resolução para os problemas encontrados. É notável que a participação em uma CCR leva ao aprendizado mútuo entre agricultores (as) e consumidores (as). Para os primeiros, as CCR têm representado uma importante alternativa de comercialização onde se pratica a venda direta e a relação de proximidade com consumidores (as), o que além de permitir maiores ganhos aos agricultores (as), permite estabelecer dinâmicas de solidariedade. Os principais desafios encontrados pelos grupos de agricultores (as) possuem relação com o planejamento de produção e o domínio das ferramentas de gestão, como planilhas utilizadas pela coordenação dos grupos para organização dos pedidos. A comunicação para educação do consumidor (a) também é um desafio contínuo.

Para os consumidores (as), o processo de participação na CCR é pedagógico, sendo ainda o grande desafio torná-los (as) mais envolvidos e responsáveis pelas dinâmicas de abastecimento. Na experiência das CCR, considera-se que os (as) consumidores (as) não necessariamente chegam com a noção de “responsabilidade”, mas que sim desenvolvem essa consciência e maior envolvimento ao longo do projeto, na medida em que estão em contato direto com os grupos de agricultores (as). Para incentivar o envolvimento dos consumidores (as), são criadas coordenações de consumidores (as) que buscam estimular a participação do grupo, além do incentivo aos agricultores (as) para o compartilhamento de experiências sobre o plantio e as dinâmicas próprias da agricultura familiar. Em tempos não pandêmicos, são fortemente incentivadas as visitas pelos consumidores (as) às propriedades agroecológicas. No contexto atual, a dinâmica se dá por compartilhamento de fotos e vídeos via grupo de WhatsApp.