Tecendo rede de agroecologia urbana em Petrópolis

VOLTAR


As informações levantadas durante a realizaçãodo Diagnóstico Rápido Participativo (DRP) nas 13 comunidades de atuação dosprojetos do Programa de Desenvolvimento Social e Participação Comunitária, executado pela Equipe do Fórum Itaboraí em parceira com a Secretaria Municipal de Saúde de Petrópolis,  apontarampara situações vinculadas ao tema da agricultura urbana tais como, a existênciade iniciativas isoladasde hortas caseiras ou em pequenos espaços comunitários, a vulnerabilidadeambiental, a insegurança alimentar e nutricional, assim como a ressignificação deespaços comunitários e a participação social.
O Fórum Itaboraí partiu do princípios que as práticas agroecológicas em espaços urbanospodem atuar como agentes de transformação uma vez que tratam da segurançaalimentar, da apropriação dos espaços e da economia solidária, temas que estãointimamente relacionados à moradia, à mobilidade urbana, à infraestrutura desaneamento básico e qualidade de vida. A interação dos princípios da Agroecologia, ao direito à cidade pode viabiliza a democratização do espaço urbano edo bem viver.
Neste sentido, a Equipe da Biodiversidade elaborou uma proposta de atividades de capacitação no âmbito dos “Encontros deFormação e Interação de Saberes em Agricultura Urbana”, visando a melhoria daqualidade de vida nas comunidades, com especial atenção ao tratamento adequadodos resíduos domiciliares, à promoção da segurança alimentar e aofortalecimento comunitário.
O ação pioneira adotou como metodologia central, as atividades práticas, procurando valorizar os conhecimentos e experiências existentes na comunidade, abordando além das técnicas agroecológicas, a gestão dos resíduos orgânicos, o aproveitamento integral dos alimentos e a participação social. A ideia inicial de capacitar pelo menos15 pessoas por turma, de forma aformar agentes multiplicadores, teve que se adequar com a situação da pandemia, modificando a metodologia previstos para os encontros presenciais que tiveram que ser interrompidos. A participação dos moradores das Comunidades do Amazonas(pertencente ao Projeto “Estratégia deSaúde da Família – ESF), com a participação de moradores das comunidades da Glória, Posse, Retiro / Morro do Alemão, Meio da Serra e Pedras Brancas, que iniciaram os encontros presenciais, foi ampliada para mais 5 comunidades (1o de Maio, Vila Rica, Sargento Boening, Bataillard e Quilombo da Tapera), e passando de 20 participantes para cerca de 40 pessoas, incluindo jovens participantes do Serviço de Convivência e Formação de Vínculos do CRAS da Comunidade do Amazonas, além de Agentes Comunitários de Saúde.
Durante os encontros presenciais foram realizadasatividades práticas de cartografia social, compostagem e plantios em pequenosespaços, sendo instalada uma unidade de cultivo em garrafas pet montadas empallet e foi montada uma unidade de compostagem em cilindro de tela, ambos naVila Frei David na comunidade do Amazonas.  A paralisação das atividades conforme asrecomendações institucionais, a Equipe envolvida com a execução dos encontros, ficoudiante do desafio de realizar as adaptações necessárias para continuar aanimação e sensibilização do grupo considerando a boa perspectiva e animação dosparticipantes e a criação de um grupo virtual no aplicativo “Whatsapp”, com oobjetivo de comunicações gerais entre a Equipe e os participantes.  Este grupo que inicialmente foi nomeado como “Encontros do Amazonas”, foi renomeado para“Encontros de Agricultura Urbana”, se consolidando como um canal virtual de formação de uma rede de práticas de agricultura urbana e gestão comunitária de resíduos. 
Foram fomentadas por meio de doação de material a montagem de mais 7 unidades de composteira em cilindro de tela, ferramentas e mudas de hortaliças, que foram distribuídas para os participantes de cada uma das comunidades, a fim de por em práticas os saberes e conhecimentos intercambiados nos encontros e pelo Wzap.  
Entre os resultados iniciais alcançados, além da quantidade e diversidade dos participantes e das comunidades, se destaca a redução de descarte inadequado de cerca 500 kg de resíduos orgânicos, que foram destinados para as composteiras comunitárias. 
Por outro lado, é necessárioproporcionar uma comunicação adequada dos textos produzidos com recursosaudiovisuais, para os integrantes do grupo Encontros, pois se percebe atravésdas dúvidas e comentários (ou falta deles) que a maioria dos integrantes nãoleem ou não entendem o que foi lido, que são agravados pelos entraves causados pela dificuldade de acesso à internet, que \"ficaram (temporariamente) pelo caminho\" na migração dos encontros presenciais para os encontros remotos.


Redes em saúde e agroecologia

De que forma sua organização poderia colaborar na criação e/ou fortalecimento dessas redes?
A organização vem dinamizando e participando da formação e fortalecimento da Rede Fiocruz de Agroecologia Urbana, se colocando disponível para interação de métodos e experiências em mobilização comunitária para a prática da agricultura em pequenos espaços nas áreas urbanas.

Sujeitos

Você considera que a experiência tem uma atuação em Rede?
Sim
¿Con qué grupos se construye esta experiencia?
  • Educadoras/es
  • Estudantes
  • Outro
  • Profissionais de saúde
  • Agricultoras/es familiares/camponeses
Sexo: indique los grupos que participan en esta experiencia
  • Masculino
  • Feminino
Se há um sexo com maior participação, indique
Feminino
Faixa etária - indique o(s) grupo(s) que participa(m) dessa experiência
  • De 30 a 60 anos
  • De 15 a 29 anos
Se há uma faixa etária com maior participação, indique
De 30 a 60 anos

Outros sujeitos

Quais outras/os?
Moradores de bairros da periferia da cidade de Petrópolis

Localização e abrangência espacial

Esta experiência está sendo cadastrada pelo celular (via aplicativo ODK Collect)?
Não
Qual é a abrangência territorial das ações desenvolvidas na experiência?
Municipal

Estratégias de Comunicação e Anexos

Que tipo(s) de ferramenta(s) utiliza para divulgar a experiência e se comunicar com os envolvidos?
  • Facebook/Messenger
  • Whatsapp/Telegram

Arquivo e/ou link relacionado às produções/práticas da experiência

Tipo de anexo
Link

Práticas em saúde e agroecologia

Águas e saneamento
Gestão de resíduos
Práticas Agroalimentares (produção/beneficiamento/consumo)
  • Plantas alimentícias não convencionais (PANCs)
  • Compostagem
Prácticas Integradas y complementarias en Salud
Plantas medicinais e fitoterapia
Práticas Populares e Tradicionais de Cuidado em Saúde ou Saúde Popular
Remédios caseiros a partir de plantas medicinais
Esta práctica es considerada una tecnología social por los protagonistas de la experiência?
Não
O que estimula a adoção dessa(s) prática(s)?
  • Curso de capacitação e treinamento
  • Participação em redes de aprendizados e conhecimentos
  • Intercâmbio/vivência

Resistências e ameaças

Há conflito(s) ambiental(is) no(s) território(s) onde essa experiência acontece?
Não

Duração da experiência

1 Impacto da Pandemia da Covid-19

Essa é uma experiência criada em resposta aos efeitos da crise sanitária decorrente da pandemia do Coronavírus (Covid-19)?
Em parte, a experiência já acontecia mas houve ajustes devido à pandemia

Identificação do tipo experiência

Selecione o tipo de experiência
Outro
Qual outro?
Promoção e sensibilização para cultivos em pequenos espaços

Políticas públicas

Caso a experiência tenha acessado uma ou mais políticas públicas brasileiras, indique
Nenhuma