A importância das sementeiras na agrofloresta

Antônio Alves possui uma propriedade de 23 hectares na comunidade de Curralinho, em Triunfo-PE. Ele planta milho e feijão em oito hectares, ocupa 1,5 hectare com um sistema agroflorestal e no restante tem palma, capim, mata nativa e uma área em pousio. O viveiro de mudas comunitário também fica na propriedade do agricultor devido a facilidade de água. O viveiro é cercado por uma tela de arame feita pelos próprios moradores com ajuda de uma máquina apropriada. Conseguiram palha de coco para fazer sombra nos canteiros, além de estrume para preparo de substrato, aprendizado que adquiriam em vistas de intercâmbio. Entre as mudas do viveiro estão: leucena, gliricidia, nim, guapuvuru, genizero, ipê, craibera, jatobá, pajeú, ingazeira, acácia, castanhola, jambo, manga, caju, azeitona, goiaba, pitomba, carambola, graviola, mamão, maracujá, coco, girassol e fumo. O viveiro fornece mudas para todas as famílias que estão impantando áreas de agrofloresta. E agora estão produzindo mudas visando à recuperação da mata ciliar do rio Pajéu. Como defensivos Antônio usa folha de pinha, angico, maniçoba e fumo. Toda a comunidade se envolveu no projeto, especialmente os mais jovens que são os grandes responsáveis pela coleta de sementes.

Experiência
A importância das sementeiras na agrofloresta
Chamada
Produção comunitária de mudas
Ano de publicação
2003
Última atualização
17/04/2018
Autoras/es
Relator/a
Áreas Temáticas
Áreas Geográficas
Comentários
Ainda não há comentários sobre esta experiência.