Informativo do Banco de Sementes do Sítio Antas (São José de Piranhas-PB)

Durante as décadas de 80 e 90 houve um crescimento na degradação ambiental no município de São José de Piranhas, no sertão paraibano. A utilização de tratores e animais de tração contribuiu para o desaparecimento da água dos reservatórios, erosão, e desaparecimento dos rios. A monocultura do algodão e o uso de agrotóxicos nas lavouras ajudaram ainda mais na degradação. Em 2003, o STR de São José de Piranhas contou com a colaboração da CPT e da ASA-PB para o início da discussão sobre a criação do Banco de Sementes Comunitário do Sítio Antas. O primeiro passo foi à criação de um roçado comunitário de milho, feijão, hortaliças e algodão para começar a abastecer o Banco. O agricultor devolve as sementes emprestadas pelo Banco com acréscimo de 20%, e devem ser as melhores sementes selecionadas. Hoje o Banco conta com uma variedade de sementes: feijão canapu, feijão paulistinha, fava branca, forrageiras, algodão, alface, pimentão, tomate etc. Cerca de 80% da comunidade foi reflorestada e diversas mudas foram distribuídas para os agricultores reflorestarem as áreas próximas de suas casas. Para ajudar na recuperação do solo e na adubagem os agricultores usam esterco de vaca, de galinha e de porco. Como defensivos naturais os agricultores usam urina de vaca, fumo e manipueira. Para melhorar a qualidade dos rebanhos foi feito um trabalho de fenagem e silagem com capim elefante, sorgo, forrageiro, milho e cana-de-açúcar, armazenando 40000kg através de fenos e 2500kg em silos.

Experiência
Informativo do Banco de Sementes do Sítio Antas (São José de Piranhas-PB)
Chamada
Recuperação ambiental e experiência com banco de sementes na Paraíba
Ano de publicação
2006
Última atualização
17/04/2018
Autoras/es
Relator/a
Áreas Temáticas
Áreas Geográficas
Comentários
Ainda não há comentários sobre esta experiência.