Agrofloresta: a produção da erva-mate em consórcio com a natureza

Valdivino e Doracy, quando começaram a cultivar erva-mate, não possuíam muita experiência, e o que faziam era mudar as mudinhas que encontravam ou plantavam outras em terra livre, mas o sol sempre acabava queimando tudo. Em 1994, passaram a plantar as mudas em consórcio com uma capoeirinha que tinham deixado formar, e o resultado foi bastante satisfatório, já que nenhuma muda foi perdida no verão, elas eram mais resistentes ao calor e cresceram mais sadias. Passaram a plantar sempre em capoeiras. A família de seu Valdivino beneficia as sementes da seguinte forma: colhe, deixa as sementes em um saco plástico uns dias para esquentar um pouco e assim ajudar a descascar; depois de descascadas coloca as sementes na areia por 5 ou 6 meses para quebrar sua dormência e as guarda de preferência em um lugar de sombra e que não pode deixar faltar umidade. Seu Valdivino apresentou sua experiência para outros agricultores, que aprenderam a beneficiar a semente em um viveiro coletivo. Valdivino poda a árvore de acordo com seu porte, e nunca tira tudo, sempre deixa umas folhas no pé. Na colheita seu Valdivino memoriza aquelas árvores que não deram muita produção e aquelas doentes para fazer a decepa. E assim ele e sua família vão manejando a erva-mate em consórcio com a natureza.

Experiência
Agrofloresta: a produção da erva-mate em consórcio com a natureza
Chamada
Cultivo agroecológico da erva-mate em consórcio com a capoeirinha
Ano de publicação
2005
Última atualização
17/04/2018
Autoras/es
Relator/a
Anexo
Áreas Temáticas
Áreas Geográficas
Comentários
Ainda não há comentários sobre esta experiência.