Fundo solidário rotativo para construção de cisternas de placas

A primeira experiência com o Fundo Rotativo Solidário de Cisternas ocorreu na comunidade Caiçara, em Soledade, com a construção de cinco cisternas envolvendo um grupo de 10 famílias. Em apenas dois anos foram construídas 11 cisternas. Hoje, o município apresenta 43 grupos e aproximadamente 250 cisternas construídas. Em Soledade, o Fundo Rotativo Solidário funciona da seguinte maneira: um grupo de cinco família se reúne. São sorteadas duas famílias que receberão os materiais de construção. As cisternas são construídas através de mutirão, no qual vão aprendendo as técnicas. Em um contrato assinado pelas famílias os beneficiários se responsabilizam pela devolução, a cada seis meses, de 20% do valor total de sua cisterna. Essa quantia é investida na construção de novas cisternas para outros membros do grupo. Com a devolução dos recursos das últimas cisternas, inicia-se um novo Fundo Rotativo Solidário. O Coletivo Municipal de Gestão Solidária, composto por representantes do Sindicato dos Trabalhadores Rurais e organizações de assessoria com atuação no município, identifica e discute o destino dos recursos devolvidos por cada grupo. Através da Articulação do Semi-Árido Paraibano a experiência abrange mais de 100 municípios, pertencentes ou não ao estado.

Experiência
Fundo solidário rotativo para construção de cisternas de placas
Chamada
Fundo solidário rotativo para construção de cisternas de placas
Ano de publicação
2003
Última atualização
04/11/2019
Autoras/es
Áreas Temáticas
Áreas Geográficas
Comentários
Ainda não há comentários sobre esta experiência.